What do you look for in a Senior UX Designer?

I had a chat the other day about this topic, and that lead me to write down a few ideas I have about this topic. What to look for on a Senior UX Designer?… here’s a few things that pop up immediately:

  • Systems Thinking – understanding the how and why things work one way in society, organizations or technology is paramount to influence change on the right people at the right time
  • Change Management – Launching a new awesome app is just not enough if that’s not accompanied by proper communication and engaging strategies
  • Performing User Research and being a great observer, identifying patterns of behavior out of data and human observation.
  • Be able to establish analogies across different industries and apply best practices. “What have others figure out, that we haven’t?”
  • Practice evidence lead Design. Don’t follow assumptions, but instead validate them and change ideas/believes quickly about what he/she thinks is the best solution.
  • Visual Design or Art Direction, because in the end of the day the touchpoints of a system are mostly a visual interface.
  • Communication skills because presenting solutions to a problem must be compelling and simple to everyone to understand. While asking the right questions, to go deep into the origin of problems.

In car touch interfaces

I must say that it scares me a bit to see the latest trends in car dashboards become dominated by big touch screens. Driving a car requires a great ammount of focus from the driver, one shouldn’t be able to perform other tasks on a touch screen, (e.g. to control car features as AC, air vents, etc.)

Physical buttons, nobs and switches are still the best way to interact with a car as it allows the driver to reach to the control with just a minor glance sometimes. And I hope that in the future the luxury will be to have “analog” interfaces.

Recently I came across a study performed by The Foundation for Traffic Safety in the US, about the levels of distraction of a driver on normal tasks in a car. What caught my attention?

  • A simple task like adjusting the radio produces the double of distraction as during normal driving.
  • And using Siri interface produces the highest distraction level on this comparison.

AAA2

I would like to better clarify this last point with the authors, as Siri is a voice interface I wouldn’t expect that level of distraction.

Anyway, imagine now these tasks done on an interface like the one on Tesla Model S:

I’m surprised I haven’t seen many news on car accidents because of Tesla’s big touch screen. I never drove a Tesla, but it would be interesting to have a deeper insight on the driving experience of this car. Maybe I’m wrong.

How can this problem be solved through technology?

For car manufacturers is less expensive to put all the car controls in a touch screen than mounting all in different nobs and switches. But as this solution created challenges for the users, technology can also solve it. How?

  1. Head-up displays and virtual windscreens (like the one from Jaguar on the video below)
    • The interfaces are better integrated in the overall driving experience, as they allow the user to keep his eyes on the road more easily
  2. Well designed touch interfaces, based on user research
  3. Through automated driving technologies, allowing the driver to safely abandon the steering wheel and assuming a more super visioning position.

1. Virtual windscreens and head-up displays

The Jaguar Virtual Windscreen concept seems a carefully designed interface with a bit of “gamification” as it is inspired by car video games and in line with the sporty soul of the brand. We still need to see the final execution of this interface, but if done seamlessly on the windscreen it might be interesting.

On the other hand, the BMW head up display is a type of solution that seems more intrusive to the driving experience, compared to the Jaguar interface, but still a good help to keep the drivers eyes on the road.

2. Better Touch screen UI’s

One of the biggest issues with a touch screen like Tesla’s, is the fact that the UI (although touch) still provides small buttons in a fixed position (why would I want that if I have a 17 inch touch screen, right?), this guy here made a concept that shows the path to solve that:

3. Automated Driving

Daimler AG just presented a few months ago, is automated driving concept for trucks. Watch the video, where the driver leaves the steering wheel and is able to perform other tasks while the truck drives itself.

So in conclusion, I think that touch interfaces that simply replicate the look and feel of normal buttons and switches, is a passing trend. It’s the result of a specific area of interaction design that doesn’t have enough research done. But it seems already very obvious that interfaces will need to be much better integrated (giving the driver just the essential info or allowing to explore more features, depending on the different moments of the driving experience) with the drivers life on board a car. And ultimately with the help of automated driving technologies, it will be much safer to use any kind of interfaces.

“What do you Want?”

First rule about User Research: Never ask, “What do you Want?”; Second rule about User Research: Never ask, “What do you Want?; Third rule about User Research: … Well, you see where this goes, right?

I found this interesting article that puts this idea in a nutshell, and provides a good alternative. You better ask this in your next conversation with users:

  • What are you trying to get done? Why?
  • How do you currently do this?
  • What could be better about how you do this?

 

1-qOV-WWYcN3gnDV-Z9YM-ng

Source: https://medium.com/user-research/never-ask-what-they-want-3-better-questions-to-ask-in-user-interviews-aeddd2a2101e

Contextual Inquiry

“The core premise of Contextual Inquiry is very
simple: go where the customer works, observe
the customer as he or she works, and talk to
the customer about the work. Do that, and you
can’t help but gain a better understanding of
your customer. ”

Beyer and Holtzblatt, Contextual Design, 1998

Esta app chateia-me!

Já todos ouvimos falar que o design de bons produtos e serviços no mercado ligado aos cuidados de Saúde é um dos que mais crescimento tem tido ao nível global e cada vez mais empresas apostam em ter divisões dedicadas apenas a esse mercado. Veja-se o caso da LBI Health, ou mesmo da Portuguesa Alert.

Mas o que fez escrever este post foi a leitura de um artigo na FastCoDesign sobre um produto em específico, o Jawbone UP. Trata-se de um mix de pulseira e app de smartphone, que monitoriza a condição física do utilizador e a sua qualidade de sono, contando os passos que este faz e permitindo introduzir as colorias consumidas nas refeições.

Em princípio adorei o conceito e até cheguei a sondar amigos que foram a NY recentemente para me comprarem um desses produtos. A pulseira é bonita, discreta, bem desenhada no meu entender – embora com um design um pouco “feminino” mas talvez seja essa a maior fatia do mercado alvo.

Mas no artigo que referi, o autor tece algumas críticas à utilização global do produto. Este apresenta duas falhas importantes a seu ver:

  • É necessário retirar a pulseira do braço e ligá-la ao smartphone, para sincronizar os dados
  • A aplicação é muito complexa na sua navegação, para algo que devia ser insanely simple, usando expressões de Steve Jobs 🙂

Sobre o primeiro ponto o autor afirma “There’s a balance between being passive and present that every highly interactive product has to negotiate. Getting that balance right is the difference between creating a product that’s a pain to use, or a pleasure.”

Já sobre o segundo ponto ele acrescenta “The app for the Jawbone UP got me thinking about that dilemma, simply because for a very, very basic app, there’s too many paths for ultimately doing the same thing. You can go around in circles on the thing, and that quickly becomes exhausting.”

O meu Nike+ GPS

Eu não tendo usado o produto, consegui compreender a sua frustração, comparando com aquilo que conheço melhor, a aplicação Nike+ e a Nike+ GPS, que saiu mais tarde para os smartphones equipados com GPS.

A primeira necessitava de um sensor que comprei numa loja Nike e que custou na altura cerca de 25euros e tinha um tempo de vida limitado à sua bateria que não se podia carregar. Tinha de o ligar e colocar nos ténis de corrida sempre que ia dar uma corridinha.

Já a segunda aplicação, funciona apenas com o sinal GPS do smartphone! basta leva-lo comigo nas carridas e os dados sincronizam-se com um toque de um botão na aplicação, para um servidor qualquer “na nuvem”… simples, não!?

Um flop comercial?

A pulseira Jawbone UP foi lançada este ano com muita exposição nos media especializados nos EUA. Pelos vistos houve um grande trabalho de funding no desenvolvimento e lançamento do produto. E agora?… o produto pode ser um flop só porque toda a sua experiência de utilização tem um pormenor menos conseguido!? o de necessitar ligar fisicamente a pulseira com o smartphone!?… aqui está um bom exemplo da importância do Design na inovação de produtos! 🙂

 

Hi – Human Interface

• O VERDADEIRO Interface Humano :)… lindo!

Hi from Multitouch Barcelona on Vimeo.

iPhone II – Realidade Aumentada

• Este fim-de-semana tive oportunidade de experimentar em Madrid uma aplicação de Realidade Aumentada no iPhone que me indica as estações de metro mais próximas. Pegando na imagem real que capta na câmara, o Madrid Metro coloca por cima informação da distância a que estou das estações de metro mais próximas com indicação das linhas correspondentes.

O uso combinado do GPS, da bússola e do acelerómetro permite correr este software simples, mas estou ansioso por ver aplicações mais “reboscadas”, como por exemplo para museus, sítios arqueológicos e monumentos, rotas turísticas, etc!… todo um mundo para explorar! 🙂

Deixo aqui alguns screenshots da aplicação, que ainda por cima permite imagens interessantes com o grafismo da aplicação sobreposto à imagem real.

Surface

•A film from underneath

SURFACE : A film from underneath from TU+ on Vimeo.

Widget F1 Vodafone

• Gostei deste widget da Vodafone! é uma forma diferente de interagir com os utilizadores/fãs de Formula1. Desta forma temos acesso a fotos, videos e resultados dos grandes prémios

Why is eye-tracking important?

• BBC has a short film on that subject. Compiled in just two minutes, find out why your navigation menus should be at the top, or left column.

Watch the video “The eyes have it

Wii – A Blobject with a gestural interaction

As some people in our team got a Nintendo Wii last weekend as a prize from our company – me included, yeah! – I stumble upon some interesting posts about this console. First this product is categorized as a Blobject… And you all ask: What is that!?… just read this entry on Wikipedia.

But Nicolas Nova, a blogger you will hear about a lot in this blog, as found some fascinating similar consoles:

But Nicolas finds these consoles out of the category (Blobject) as they present a poor design ripped from the Wii, and he claims that gestural interaction wasn’t the only innovation on Wii. It’s also the console design, the games, the name, and so on…

These two consoles, called Technigame (even the name was badly chosen because they don’t give any clue about the features of the product) just have one strong argument for buyers: the lower price.

On the other hand, I find the gestural interface a huge step forward on console games, as it got the chance to seduce other kind of players such as… my mother, who turns 60 this year. It’s funny to see that suddenly this older people who grew up with out video games, saw an interesting feature on these games.

Usabilidade em sites de automóveis II

A propósito da notícia anterior, queria destacar o configurador de automóveis da SIVA. Participei neste projecto na parte de Consultoria em Usabilidade, passando depois o design do interface para uma empresa externa.

Mas no essencial fica a minha satisfação na contribuição para toda a Arquitectura de Informação, navegação, arrumação dos ecrãs, dos botões e a forma como os conteúdos são disponibilizados ao utilizador.

No essencial pretendia-se oferecer mais funcionalidades ao utilizador, mas com maior facilidade de utilização. Anteriormente a configuração de um veículo passava por 7 etapas, onde nós reduzimos para 4, para nomear apenas um exemplo…

Se o iPod fosse da Microsoft

• Uma aula de design grátis na web:

Usabilidade vs User Experience

• Esta discussão tem estado activa no meu grupo de trabalho. Quais os limites da Usabilidade e onde é que começa o User Experience?

Hoje encontrei dois artigos que podem ajudar a responder a essa questão. O primeiro da autoria de Jared Spool onde afirma:

Usability answers the question, “Can the user accomplish their goal?” In the case of our camera shopper, from the perspective of the site’s design, she did accomplish the goal, being very satisfied withhttp://www.blogger.com/img/gl.link.gif the result.

User experience answers the question, “Did the user have as delightful an experience as possible?” The store portion of the experience canceled out the online portion.

Ou seja, a User Experience é muito mais abrangente que a Usabilidade, sendo que a segunda trata exclusivamente de atingir um interface fácil de usar e onde os objectivos dos utilizaodres são cumpridos.

Já a User Experience, na minha opinião pessoal, já entra um pouco no mesmo tipo de preocupações do Marketing, onde a satisfação final do cliente é o objectivo.

O segundo artigo corrobora em grande parte o que Jared Spool afirma.

e-mail vs telefone

ZON vs ARTELECOM um problema de AI…

• Hoje durante o dia coloquei um reminder no telemóvel para escrever este post…

Andei a bisbilhotar o site da nova identidade da PT Multimédia: a ZON. Ao chegar à homepage comecei a tentar decobrir que tipo de serviços eles vendem mas achei um pouco confuso, ou melhor, não foi imediata a associação entre as palavras (labels) que eles usam, e por exemplo as que a ARTELECOM usa no seu site. Ora vejamos:

ZON
tvcabo . netcabo . phone

ARTELECOM
televisão . internet . telefone

Para mim parece-me claro que a segunda hipótese ganha! 😉

Edward Tufte sobre o iPhone

• Quando um guru do design de informação e de interfaces gráficos (GUI) faz um ensaio critico sobre o interface do iPhone, no mínimo deperta-me a atenção por se tratar de um produto amplamente aceite “World Wide”!… A partir de um post no Information Aesthetics fui parar ao blog do próprio Tufte bem como o de um outro autor que lhe responde.

Ao ver a primeira parte do video creio que Tufte identifica (sem querer?) um problema que está relacionado com a Arquitectura de Informação, ou seja, logo num primeiro nível de navegação estão disponíveis uma imensidão de opções de navegação… que baralham mais em vez de ajudar a prioritizar/objectivar o percurso do utilizador no iPhone.

Mais à frente Tufte faz uma análise a uma aplicação com informação de mercados de acções, e apresenta uma alternativa. A sua crítica vai para o facto do grafismo um pouco “cartoon” (como ele próprio adjectiva) ocupar demasiado espaço… reparem que agora o problema já é o inverso: existe mais informação que deveria estar logo visível no mesmo ecrã!

Na minha opinião este é um problema antes de mais do foro da Arquitectura de Informação… Concordam comigo? gostava de ter mais opiniões sobre este tema que me parece interessante debater.

Má Usabilidade

• Uma amostra, não apenas de má Usabilidade, mas acima de tudo de mau design de informação.
http://www.badusability.com/

Jobs for 2008

• Este ano pego na lista da Fast Company dos empregos para 2008, alguns bem interessantes, acompanhados da minha visão de cada um:
Flavorist
(são os gajos que inventam as cervejas com sabor a Pêssego! por exemplo)

Brewmaster
(destes há muitos amadores em Portugal, são como os treinadores de bancada, no futebol!)

Sensory brander
(presumo que estes irão criar as Sopas Vodafone!)

Carbon coach
(o meu respeito à causa… ando de comboio sempre que possível!)

Sleep instructor
(Todas as empresas deveriam ter um, para obrigar toda a gente a dormir a sesta…)

Metaverse evangelist
(Viajar, falar em conferências, viajar mais… gosto!)

Interaction designer
(been there, done that!)

Roller coaster engineer
(prefiro disfrutar dos loops, do que criá-los… perde-se o encanto!)

Animator
(Só é pena trabalharem no mesmo projecto, por vezes durante anos)

Travel writer
(Também quero!… 😉